Primeira temporada foi lançada em 1994

por GaúchaZH

Uma garota mimada entra em um café de Nova York vestida de noiva. Ela acaba de fugir do altar e vem na sua direção, te abraça e fala: “quanto tempo!”. E ainda quer saber se você talvez teria algum lugar na sua casa para recebê-la por alguns dias. Essa é uma das cenas mais emblemáticas de Friends, ainda na primeira temporada de 1994, quando Rachel (Jennifer Aniston) chocou todo o café Central Perk ao ir conversar com a amiga de infância Monica (Courteney Cox). Uma cena inusitada, mas que aponta exatamente para onde o seriado seria levado ao longo de suas 10 temporadas, até maio de 2004.

Essa ousadia no roteiro do seriado, que conta a história de seis amigos na faixa dos 20 e poucos anos morando longe de família e tendo que lidar com os dramas da fase adulta, encanta até os dias de hoje. Um levantamento do aplicativo TV Time, divulgado na última segunda-feira (26), apontou que o programa produzido pela Warner Bros foi o seriado mais revisto de 2018, superando How I Met Your Mother e Grey’s Anatomy, pelo terceiro ano seguido. Mas por que tanto culto?

1) Força dos secundários

A verdade é que a estrutura inicial de Friends dá todas as margens para os coadjuvantes brilharem muito mais que a protagonista. O enredo, que inicia em 1994, é centralizado em Monica, que tem um irmão, Ross (David Schwimmer); dois vizinhos, Chandler (Matthew Perry) e Joey (Matt LeBlanc); uma ex-colega de quarto, Phoebe (Lisa Kudrow); e uma amiga de infância, Rachel (Jennifer Aniston).

E é exatamente o que os anos seguintes mostram: há o romance cheio de nuances e risadas de Chandler com Janice (Maggie Wheeler e seu famoso “Oh My God”), os apuros de Joey para conseguir um emprego como ator que o tornasse famoso, as histórias assustadoras (e bizarras?!) de Phoebe (que também é cheia de personalidade), as trapalhadas e sofrimentos nerds de Ross e a esperteza de Rachel.

Nos anos que se seguem, os coadjuvantes crescem na trama – você, muitas vezes, acaba um episódio de Friends esperando pelo próximo para ouvir novamente a risada escandalosa de Phoebe ou então qual é a próxima situação de azar que Joey enfrentará. Ou até mesmo qual será a próxima sacada nerd de Ross. São as pequenas tramas de Friends que agregam identificação com o passar dos anos.

2) Trama adulta (ou jovem?!)

Esta semelhança (e saudades) com os personagens da série é alimentada principalmente pelos entraves do dia a dia – muito parecidos com os de alguns jovens-adultos vivendo seus 20 e tantos em 2018: a preocupação com a carreira, desilusões amorosas, a família que (dá a sensação de que) ama mais um filho do que o outro e amizades fiéis, em que uma simples soneca no sofá reafirma o amor um pelo outro.

Além disso, os romances conseguem se sustentar no seriado ao longo de suas 10 temporadas. A união de Chandler e Monica e os términos nada fáceis de Ross e Rachel são os principais protagonistas do enredo no período, mas há margem para outros casos pequenos. Como esquecer o noivado de Phoebe, marcado por muita gritaria em um restaurante, ou então a vez em que Joey decidiu terminar com uma jovem porque ela gostava de bater nele para expressar emoções? Ou a vez em que Phoebe e Rachel tentaram causar uma traição de Chandler, a fim de que ele confessasse que estava namorando com Monica?

Esses joguinhos destacam a presença de uma trama adulta, mas que soa como infantil em alguns momentos. As reviravoltas e absurdos causam risadas inocentes. A parte mais juvenil das personalidades, então, está exposta graças às características de Phoebe e Joey. A loira, interpretada por Lisa Kudrow, até viralizou nas redes sociais com um vídeo em que compila seus maiores ataques de raiva (mesmo que por pequenas questões).

3) Cultura pop e… memes

Não há como esquecer um aspecto importante, que ajuda a tornar Friends ainda mais atual. O seriado tornou-se um símbolo da cultura pop: o café em que o sexteto vive grande parte dos episódios é campeão de visitas até hoje em Nova York, a porta roxa com uma moldura amarela (a casa de Monica no seriado) é usada como referência em decorações residenciais.

Isso sem falar nas frases de efeito, que são repetidas até hoje pelos fãs mais ligados. “Eles não sabem que nós sabemos”, o método “Unagi”, que seria um tipo de defesa pessoal aprendido por Ross; o famoso “how u doing?” (“como você vai?”, quando Joey quer demonstrar interesse por alguém) e até a letra de Smelly Cat, canção criada por Phoebe. Esses são apenas alguns exemplos.

A verdade é que as redes sociais ajudaram a manter Friends viva até 2018. Os memes gerados com os personagens e situações da série são compartilhados até hoje. Cenas e reviravoltas são relembradas constantemente por páginas do Facebook.

Com atores muito bem alinhados e um enredo com personalidades tão únicas, Friends continua sendo amada por novas gerações por merecer tal feito. A originalidade de se criar uma história tão atual mesmo duas décadas atrás é um feito para poucos roteiristas. Nossas maratonas (pela terceira ou quarta vez) agradecem.