O local onde hoje está o Lago Negro, em Gramado, no início do século passado era o Vale do Bom Retiro. Em 1942, um incêndio destruiu a vegetação do lugar, que foi reflorestado (as mudas de pinheiros foram trazidas da Floresta Negra, na Alemanha). Poucos anos depois, foi construída uma barragem, originando o lago que se conhece hoje – esse lugar lindo que é cartão postal da Serra.

Um espaço democrático porque, além de não cobrar entrada e ficar aberto 24 horas, recebe os moradores que fazem suas caminhadas de final de tarde ou tomam chimarrão sentados nos bancos e os turistas que lotam os pedalinhos que imitam cisnes e barcos de pirata.

Há algum tempo noticiei, aqui no blog e também na página da Zero Hora uma opção que achei super bacana – a possibilidade de fazer um piquenique no entorno do Lago Negro com produtos do Restobar Lago Negro.

A operação gastronômica fica dentro do parque e aluga uma cesta simples, toalha xadrez, taças de acrílico e balde com gelo, tudo por R$ 35 – para degustar no seu lugar preferido do parque qualquer produto do cardápio pelo valor original.

Achei tão legal a ideia que resolvi experimentar, também. Fui lá há pouco mais de um mês com a Dani e a Fábia (no mesmo fíndi que passamos pelo White Fly, lembram?), minhas amigas de infância e fiéis escudeiras no apoio de descobertas divertidas e deliciosas.

Escolhemos um espumante brut da Casa Valduga. As três estavam morrendo de fome (fizemos um café tardio na Pousada La Vista, onde estávamos hospedadas, e ficamos curtindo a piscina até o meio da tarde) e como não tínhamos almoçado, nosso pedido foi típico ogrinhas (ok, a gente sempre pede assim, nem vale enganar vocês. Somos orgulhosas ogrinhas, sim!).  Eu fui um clássico pastel de estrogonofe – na adolescência era sempre meu pedido de pastel. Na verdade, até hoje, esse prato está nos meus preferidos. Só que pouco como ou preparo, veja só!

Enfim, olha só:

Lindeza, né?

Mas o preferido, mesmo, foram as tirinhas de frango crocante. Pedido da Fábia (mas as três se atiraram – e quase sobrou, super bem-servido mesmo!).

Só não ficamos muito fãs do sanduíche natural (esses dois pedaços da foto fazem parte do mesmo pedido, ele é enorme). Provavelmente porque estávamos numa pegada mais gordurinha, o pobre do sanduba ficou escanteado. Ficou a dica pro trio – ou vão pra uma pegada mais leve, ou decidam pelo pé na jaca. Nossas barriguinhas não são isentonas!

Bom, teve um moço que ficou de olho no sanduíche. Isso é verdade. A gente evitou dar comida de gente pra ele, mas é certo que já estava bem acostumado – quase sapateou em cima da toalha de piquenique!

Bacana, também, é que a única diferença de preço entre os produtos na parte de dentro do restaurante e no piquenique é o aluguel da cesta. Porque o valor do cardápio é o mesmo.

Confere os valores do cardápio (preços de abril/2018):

 

Ah, importante: o Restobar fecha às 17h. Então, você precisa devolver sua cesta até esse horário. Caso contrário, o aluguel passar a ser compra, e é debitado R$ 100 do seu cartão de crédito.

Restobar Lago Negro

Rua 25 de Julho, s/n, Gramado – RS. Junto ao Lago Negro.

Fone: (54) 3286-2151.

Todos os dias, das 9h às 17h.

 

O bistrô da encantadora Srta. Margô

White Fly: pub cervejeiro no coração de Gramado

Sharin: um pedacinho da Índia