A artista islandesa estrelou o filme quando tinha apenas 24 anos de idade

Em 1990, Björk estreou nas telas de cinema no filme The Juniper Tree, dirigido por Nietzchka Keene e livremente inspirado no conto de mesmo nome publicado pela primeira vez pelos Irmãos Grimm – famosos por suas versões de histórias como Rapunzel, João e Maria e Cinderela. O filme, produzido de maneira totalmente independente, foi gravado quatro anos antes do lançamento, em 1986, quando Björk tinha 24 anos de idade.

Björk

No último mês de novembro, a produção foi restaurada em versão de alta qualidade pelo Wisconsin Center for Film & Theater Research e pela The Film Foundation, e lançada em formato digital. Na história, a personagem de Björk, Margit, é a filha de uma mulher que morreu apedrejada após ser acusada de bruxaria – mas continua a ver e conversar com o fantasma da mãe. A história tem aspectos perturbadores, com elementos como abuso, assassinato e até mesmo canibalismo. Para promover o filme, atualmente em cartaz em cinemas selecionados dos Estados Unidos, um pequeno trecho foi divulgado, em que Björk aparece cantando. Veja:

Uma década depois de The Juniper Tree, em 2000, Björk acabaria premiada pelo público em Cannes como Melhor Atriz, por sua interpretação de Selma Ježková em Dancer In The Dark, do diretor dinamarquês Lars von Trier. O filme também recebeu a Palma de Ouro no festival; e, durante a cerimônia, a cantora apresentou a faixa I’ve Seen It All, sua contribuição musical para a produção.

O primeiro hit de Björk foi Birthday, de 1987, lançado com sua banda de pop alternativo The Sugarcubes. O trabalho que a estabeleceu definitivamente como uma artista solo pensadora e provocadora foi Debut, de 1993. Atualmente, a carreira e a obra da cantora, compositora e performer está sendo revisto na exposição interativa Björk Digital, que chega ao Brasil em junho, no MIS de São Paulo.