“Quem o auxiliou nessa missão e como isso foi feito jamais será revelado”, comentou a jornalista

Durante entrevista para à rádio “BBC”, a jornalista inglesa Lesley-Ann Jones, autora da biografia Hero: David Bowie, revelou detalhes sobre os últimos dias do cantor, e sobre sua última decisão antes de morrer.

Em 2016, quando foi anunciado seu falecimento, a notícia era de que ele lutava contra com um câncer há 18 meses. Entretanto, o que a jornalista revelou é que, após sua longa batalha contra a doença, Bowie teria optado por um suicídio médico assistido. Ou seja, ele próprio pediu ao médico a prescrição para uma dose letal de medicamento.

“Quem o auxiliou nessa missão e como isso foi feito jamais será revelado. Tenho certeza que ele não envolveu familiares e amigos para que eles ficassem protegidos”, revelou Jones.

Diferente da eutanásia, nesse caso é obrigatório que o paciente, com diagnóstico de uma doença terminal e com expectativa de no máximo seis meses de vida, esteja em plena consciência e com suas capacidades mentais funcionando normalmente para poder fazer o pedido de forma voluntária.

Os únicos países em que esse tipo de procedimento é permitido são: Holanda, Canadá, Bélgica, Colômbia, Suíça e alguns estados nos EUA.

A família do artista ainda não se pronunciou sobre a declaração.