Mais de cem filmes fazem parte da programação do evento, que vai até 10 de novembro

Mais de cem filmes compõem a programação do Festival Internacional de Cinema Socioambiental, que transforma Florianópolis na capital do meio ambiente até o próximo mês. No dia 23 de outubro, acontece na UFSC o II Planeta.doc Conferência, que já está com inscrições abertas. Toda a programação é gratuita e pode ser baixada no APP PLANETA.doc – disponível na Google Play e Apple Store – ou no site oficial do festival.

“Há água suficiente na Terra para prover nove bilhões de pessoas em 2050?” A pergunta que moveu os diretores franceses no documentário Expedição Grand Rift – Os Guerreiros da Chuva e os incitou a percorrer milhares de quilômetros de territórios africanos em processo de desertificação é uma entre as centenas de questões instigantes trazidas pelo festival, que começa nesta segunda-feira, dia 16 de outubro, em Florianópolis e outras várias cidades catarinenses, e vai até 10 de novembro. Com mais de cem filmes na programação, muitos premiados em festivais do mundo inteiro, a quarta edição do PLANETA.doc transforma as cidades no cenário ideal para repensar paradigmas e mergulhar na realidade do mundo contemporâneo, propondo inovações e soluções para diversos problemas socioambientais.

O festival, maior do gênero do sul do país e um dos principais do Brasil, trata de toda a temática da imbricação do ser humano com a Terra, o que inclui temas polêmicos e urgentes, como produção e destino do lixo, mobilidade urbana, retomada dos espaços públicos nas cidades contemporâneas, alimentação e saúde pública, movimentos sociais, explorações de territórios e biomas e um olhar aprofundado para as realidades sociais e ambientais dos quatro cantos do planeta. Os filmes serão exibidos gratuitamente em universidades, espaços culturais públicos e cineclubes. Entre os espaços que vão sediar o evento estão o cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC), Sapiens Parque, Centro de Eventos e auditório da reitoria da UFSC, Fundação Cultural Badesc e rede Cinesystem (Shopping Iguatemi), além de espaços diversos da cidade, como o Circo da Dona Bilica, espaço Conexão, O Sítio, o Círculo Artístico Teodora e Sol da Terra. O Festival disponibiliza, para toda a rede de escolas públicas (municipais e estaduais) de ensino médio e fundamental, a Plataforma Planeta na Escola, permitindo a utilização dos filmes em sala de aula como ferramenta de educomunicação durante os anos 2017 e 2018.

Além da exibição de filmes, haverá debates e o PLANETA.doc Conferência – destaque desta edição, com pensadores, cineastas, ativistas e cientistas que vem inovando em questões ligadas à sustentabilidade. O objetivo é difundir temáticas relacionadas à preservação da vida por meio de filmes com foco nos desafios da sustentabilidade e apresentação de soluções que estão sendo geradas para viabilizar sociedades harmonicamente integradas ao seu meio natural. O festival lança o desafio de pensar a sociedade atual de forma transdisciplinar para traçar linhas de reconexão que evidenciem a importância do papel do ser humano na condução do destino do planeta. “Nossa proposta é aliar conhecimento e arte”, destaca a diretora do festival, Mônica Linhares. “A emoção é necessária no processo de conhecer, e os filmes permitem um aprofundamento em questões limites essenciais, em problemáticas comuns que são vivenciadas em todas as faces da terra porque estamos numa etapa de globalização que coloca a humanidade inteira na mesma nave. Compreender estas problemáticas para dar o salto para a mudança é o objetivo do festival e do PLANETA.doc Conferência.” Por outro lado, a parceria com as escolas permite tratar desses temas de forma contemporânea, inovadora e atraente para uma geração que está formada em uma ampla rede de comunicação audiovisual. “E, por sua vez, o público em geral tem a oportunidade de acessar filmes que estão fora do circuito comercial nos espaços culturais elencados pelo festival e aproveitar as informações que são trazidas por documentaristas do mundo inteiro”, conclui.

Os benefícios da agricultura urbana, os gastos das prefeituras com a destinação dos resíduos e a irracionalidade dos processos de descarte, as alternativas para a mobilidade, a discussão sobre os processos de privatização dos bens comuns e todas as inovações que estão sendo gestadas em torno a conceitos como lixo zero, cidades do futuro – inteligentes e humanas – estão entre os temas que serão debatidos por cerca de 15 palestrantes de várias partes do mundo, que participam do Planeta.doc Conferência, no dia 23 de outubro, a partir das 14h, no Auditório Garapuvu da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O evento, com o tema ‘Bens Comuns, Lixo Zero e Cidades Humanas’, contará com a participação de cientistas e especialistas na área socioambiental, entre eles o jornalista e ambientalista brasileiro Washington Novaes; a australiana Ronni Kahn, fundador da OzHarvest, impulsionado pelo desejo de fazer a diferença e acabar com o desperdício de comida; e a inglesa Tia Kansara, autora premiada e empresária, fundadora e diretora do Kansara Hackney Ltd., primeira consultoria de estilo de vida sustentável e controle de qualidade ISO no Reino Unido. As conferências são realizadas em um formato semelhante a TED, com até 30 minutos de duração, permitindo um painel bastante abrangente e diversificado.

Nos dias 21 e 22 de outubro, o cinema do CIC também vai sediar um ciclo de debates com alguns dos conferencistas: Adrienne Hall, que produziu o aclamado documentário Racing Extinction e tem amplo histórico de participação em filmes socioambientais; a carioca Paula Saldanha, jornalista, apresentadora, escritora, ilustradora e ambientalista brasileira; de Dener Giovanini, ​de Brasília, ambientalista reconhecido internacionalmente que recebeu da ONU o mais importante e prestigiado prêmio ambiental do planeta, o Unep-Sasakawa, em 2003. Participa dos debates também Pedro Pinera, diretor da Mostra Espanhola de filmes com curadoria do Ecozine Festival, parte desta edição do festival. A participação nos debates e na Conferência é gratuita, mas a inscrição é obrigatória – clique aqui para acessar. Todos os participantes ganham certificado de participação.

Confira aqui a programação completa.