O vocalista do Nirvana fez a afirmação em 1991, quatro dias antes do lançamento do disco Nevermind

Em 20 de setembro de 1991, quatro dias antes do lançamento de Nevermind, do Nirvana, o vocalista Kurt Cobain concedeu uma entrevista à rádio universitária CHRW, em Ontário, no Canadá – e demonstrou estar atento a temas que só anos mais tarde virariam assuntos correntes na grande mídia, como o machismo no meio musical e o protagonismo negro na cena de alguns gêneros, como o rap. A entrevista foi conduzida e publicada por Roberto LoRusso, que, na época, trabalhava como DJ e locutor na rádio.

Kurt Cobain

“Eu gosto de rap, mas a maioria é tão misógina que eu nem consigo lidar com isso”, afirmou Cobain, ao ser perguntado sobre o estilo musical. “Eu não sou muito fã.” Depois, LoRusso perguntou sobre uma afirmação feita pelo vocalista em outra entrevista, a de que pessoas brancas não deveriam fazer rap, porque “o homem branco já roubou o lugar do homem negro por tempo suficiente”, e Cobain explicou: “Eu respeito, porque é uma das únicas formas originais de músicas que foram introduzidas [nos últimos anos]. Mas ouvir o homem branco fazendo rap é como assistir a um homem branco dançando. Nós não sabemos dançar, e não sabemos fazer rap.”

Nesta semana, ao falar sobre a ocasião com a revista Rolling Stone, LoRusso – que tinha apenas 21 anos na época – classificou a entrevista como “objetivamente terrível por todos os padrões jornalísticos”, dizendo que suas perguntas “foram mal elaboradas” porque sua pesquisa “estava incompleta e imprecisa”. “Apesar disso, Cobain foi incrivelmente paciente e gentil, principalmente se considerarmos que eu não estava bem preparado”, completou.