“Eu era considerado mainstream, mas agora sou quase avant-garde”, comentou o vocalista do The Killers

Foi lançado nesta semana o segundo trabalho solo de Brandon Flowers, sucessor de Flamingo, que saiu lá em 2010. The Desired Effect é o título do novo álbum do vocalista do The Killers, que foi produzido por Ariel Rechtshaid – acostumado a trabalhar com artistas pop, como Madonna, Kylie Minogue e Beyoncé. Entre as participações especiais, estão as de Neil Tennant, do Pet Shop Boys, Danielle Haim, do Haim, e Ronnie Vannucci Jr, do próprio The Killers. Ouça abaixo, na íntegra:

Anteriormente, Flowers já havia divulgado alguns clipes para promover a novidade – o último deles foi o da faixa The Lonely Town, que tem um visual bem anos 90:

Recentemente, em entrevista à revista Rolling Stone para promover o disco, Flowers falou sobre a indústria musical atual, e também sobre o futuro – incerto – do The Killers. “Quero estar nas rádios. Nunca tive vergonha de falar isso”, afirmou o músico. “Mas ainda não acredito no que o rádio se tornou. Parece um mundo estranho agora. Antigamente eu parecia ser adequado, agora sou visto de maneira diferente. Eu era considerado mainstream, mas agora sou quase avant-garde, comparado ao que toca nas rádios. O jogo mudou. O rádio agora só olha para os charts. Eles tocam uma canção algumas vezes, vêem o quão bem ela está se saindo no iTunes, e, se não estiver indo tão bem, simplesmente param de promovê-la. Isso teria sido um desastre para o The Killers.” O vocalista comentou ainda que acha que Mr. Brightside, um dos maiores hits da banda, não faria sucesso se fosse lançada hoje. “Mr. Brightside foi lançada duas vezes, em 2003 e 2004, e o desempenho não foi bom na primeira vez. Ela não teria uma segunda oportunidade no cenário atual.”

Brandon Flowers

Especificamente sobre o The Killers, Flowers disse: “Eu estive conversando com Dave [Keuning, guitarrista], mas ele não parece tão animado em mexer com música por agora. Eu sinto que, quando Dave está em sua melhor forma, e quando todos nós estamos colaborando, é o momento em que o Killers está dando o seu melhor. E é disso que precisamos ao gravar um novo disco. Acho que será preciso um pontapé em nossos traseiros para que possamos nos mexer. Mas acho que isso não demorará a acontecer.” Mas ele mesmo faz algumas ressalvas: “Não quero que seja como uma máquina. Voltamos a nos reunir, compomos, gravamos, lançamos o disco e vamos para a estrada ganhar dinheiro. Precisamos reencontrar uma maneira de ter prazer naquilo que fazemos de melhor. Quero sentir como se estivéssemos juntos por amizade, por querer estar perto um do outro. Eu quero recuperar isto dentro da banda e junto deles enfrentar o mundo. Quando penso no U2 ou nos Rolling Stones, são essas coisas que vêm à minha mente. Eles sempre sabiam o que queriam fazer.” Battle Born, o disco mais recente do grupo, saiu em 2012 – e Flowers encerrou a entrevista falando que “mal posso esperar pelo próximo álbum do Killers.” Apesar de a carreira solo do vocalista não soar nada mal – como você pode comprovar no player lá em cima -, os fãs concordam.