Segundo a revista ‘Respect’, Joy Crookes fez a fusão do R&B com Soul parecer fácil em sua estreia, com apenas 18 anos, no EP “Influence”, lançado em 2017. Com arranjos elaborados e talento nato, parece que a artista chegou pra ficar! Agora, dois anos depois do primeiro EP, e após o lançamento do segundo, “Reminiscence” (2019), ela continua provando que é uma promissora aposta na cena musical inglesa. Se você procura por uma nova dose de Soul/R&B, esta voz é a onda que seus ouvidos devem surfar.

Joy Crookes, cantora e compositora, natural do sul de Londres, é uma das artistas femininas mais interessantes que surgiram na cena musical inglesa nos últimos tempos. A voz suave e rouca revela uma jovem vocalista com notáveis influências mas sobretudo muito talento.

Atualmente com 20 anos de idade, Joy começa a colher os frutos do trabalho. Ela impressionou muita gente com composições sem remorso que estão além de seus poucos anos. A crítica inglesa a comparou com Amy Winehouse e Lauryn Hill. Mesmo sendo inevitável, Joy se mostrou cautelosa com isso, explicando que “é o maior elogio ser comparada a ambas, mas eu acho que é um território perigoso – particularmente para artistas mulheres, porque somos tão facilmente encaixotadas! Eu só quero fazer minhas próprias coisas”, disse ela em entrevista para a Vogue.

Criada no sul de Londres pelo pai irlandês e mãe de Bangladesh, a sonoridade cativante de Joy está no centro de sua arte. A sensação de atemporalidade dá a ela um senso de longevidade, algo nítido logo nos primeiros trabalhos, como na faixa “Mother May I Sleep With Danger?”

 

Depois de dois ‘EP’ lançados e de emplacar algumas faixas nas rádios, o mais recente single “London Mine”, é uma homenagem de quem chegou para viver e crescer em Londres para quem vive na cidade atualmente. A jovem artista reconhece a importância das comunidades imigrantes na Grã-Bretanha.

Um videoclipe foi especialmente produzido para divulgar a nova faixa, onde a artista fala sobre as dicotomias sociais na metrópole. É impossível ignorar os efeitos da hostilidade pública em relação aos imigrantes que chamam a cidade de casa. Ao mesmo tempo, contra um horizonte cinzento, cada esquina tem sua própria identidade, como uma colcha de retalhos colorida de dialetos e culturas.

 

 
Vídeos e fotos – divulgação.