Além da trilha sonora instrumental criada pelo renomado compositor e maestro americano, Alan Silvestri, divulgada recentemente, ‘Vingadores: Ultimato’ conta com uma série de clássicos da música que aparecem em pontos chaves do longa.

‘Vingadores: Ultimato’ não se apoia em sua trilha tão fortemente como qualquer um dos filmes dos ‘Guardiões da Galáxia’ ou ‘Capitã Marvel’, mas o filme inclui alguns pontos marcantes onde as músicas funcionam com grande efeito. O Universo Cinematográfico da Marvel pode até ficar para trás da ‘DC’ e da ‘Warner Bros.’ quando se trata de temas musicais icônicos para os heróis, mas nenhuma franquia de super-heróis usa melhor a música pop do que o coeso ‘MCU’.

O longa encontra os personagens que sobreviveram, lidando com as consequências da aniquilação. Obviamente que diversas perdas tão monumentais e trágicas pesam muito sobre os Vingadores restantes, e isso se reflete nas canções que tocam ao longo da produção.

A trilha sonora original de Alan Silvestri não contempla as músicas de terceiros que tocam no filme. Mas, a importância delas na trama é inegável já que aparecem em pontos chaves da narrativa. Confira a lista de títulos e artistas:

 

A primeira música vem antes mesmo da história realmente começar, ela toca quando surge o logo da Marvel Studios. Isso é um tanto incomum, mas “Dear Mr. Fantasy” (1967), da banda britânica Traffic, é uma introdução certeira para o filme – “Faça qualquer coisa, tire-nos desta escuridão”, diz a letra. Escrita por Jim Capaldi e composta por Steve Winwood e Chris Wood, a canção entrou no repertório do show de Steve Winwood no “Crossroads Guitar Festival” em 2007 e aparece no DVD do festival. Mais tarde a música foi incluída no setlist da turnê conjunta de Steve Winwood e Eric Clapton em 2009.

Já o single ‘Supersonic Rocketship‘, da também britânica, The Kinks, fala de um futuro esperançoso, refletindo o otimismo renovado entre os Vingadores, já que eles acreditam que têm uma chance de salvar todos que Thanos matou. ‘Caiu como uma luva’ para o momento em que Rocket Raccoon e Hulk vão até Nova Asgard. Gravada em 1972, a letra fala sobre um “foguete supersônico”, que contém uma espécie de resolução para todos os problemas do mundo, algo como um paraíso onde “ninguém precisa ser descolado”, “ninguém vai viajar de segunda classe” e “servirá de refúgio para desajustados e minorias reprimidas”.

 

Não muito tempo depois, quando Thor retorna ao complexo dos Vingadores, e Rocket trabalha no túnel quântico, ouvimos “Doom and Gloom“, single principal retirado de “GRRR!”, álbum que comemora o 50º aniversário dos Rolling Stones, lançado em 2012. Essa escolha por si só faz todo sentido, considerando o estado das coisas. Um trecho da letra diz: “Eu estou me sentindo um pouco machucado, sentado na sujeira, tudo que eu escuto é tristeza e melancolia”.

 

O single “Come and Get Your Love“, lançado pelo grupo de rock nativo americano, Redbone, em 1974, aparece uma vez que os Vingadores começam a viajar no tempo, especificamente na cena em que Nebula e Rhodey estão espionando Peter Quill enquanto ele canta e dança com fones de ouvido ao explorar o planeta Morag. Este momento relembra a hilária introdução musical do Senhor das Estrelas na estreia dos ‘Guardiões da Galáxia” no cinema.

A música foi lançada como o primeiro single do álbum “Wovoka”. Escrita e produzida pelos membros da banda, Pat e Lolly Vegas, é um dos trabalhos mais bem sucedidos do grupo.

 

A viagem no tempo continua, Tony Stark e Steve Rogers voltam a 1970 para recuperar a Joia do Espaço e as partículas adicionais de Pym que eles precisam levar de volta para o presente. A montagem perfeita para este flashback conta com “Hey Lawdy Mama“, canção gravada por Steppenwolf em 1971, ouvida também ao mesmo tempo em que Stan Lee faz sua aparição e, infelizmente, a participação final no ‘MCU’.

“Hey Lawdy Mama” é uma canção de Blues gravada originalmente por Buddy Moss em 1934. O tema se tornou popular entre os músicos de jazz com regravações antigas realizadas por nomes como Count Basie e Louis Armstrong. Em 1943, uma versão feita por Andy Kirk com vocais de June Richmond, foi um sucesso, alcançando as paradas da Billboard. Desde então, vários artistas registraram suas interpretações.

 

Depois de toda a ação épica e momentos engraçados, ‘Vingadores: Ultimato’ termina envolvendo os espectadores em pura emoção. Steve Rogers, ao partir para devolver as Joias, escolhe permanecer no passado e viver ao lado do amor de sua vida, a agente Peggy Carter.

Enquanto a câmera lentamente entra em uma casa suburbana, a música “It’s Been A Long, Long Time” (1932), gravada pelo músico americano Harry James, e a cantora Kitty Kallen, também americana, é ouvida flutuando no ar, enquanto Steve e Peggy finalmente conseguem realizar a prometida ‘dança’. Uma bela forma de finalizar a saga e subir os créditos.

“It’s Been A Long, Long Time”, de Jule Styne e Sammy Cahn, foi um sucesso no final da Segunda Guerra Mundial. A letra é sobre a emoção de um familiar ao receber um sobrevivente de guerra. A canção se tornou um clássico e atravessou gerações, gravada por artistas como Peggy Lee (1959), Louis Armstrong (1964), Tom Jones (1966) e Frank Sinatra (1945).

 

A trilha de Alan Silvestri, apresentada na última sexta-feira, com 35 faixas, já está disponível com o título ‘Avengers: Endgame’ no Spotify, ou no perfil do próprio compositor e maestro.

Além de uma consagrada carreira concertista, Alan Silvestri assina mais de 120 trilhas compostas, valendo-lhe 39 prêmios e duas indicações ao Oscar, respectivamente por “Forrest Gump: O Contador de Histórias”, em 1995 e “O Expresso Polar”, em 2004. Uma das trilhas mais elogiadas de Silvestri é a do filme “O Segredo do Abismo”, de 1989. O trabalho mais desafiador no entanto foi para o filme “Náufrago” (2000), devido ao prazo apertado. A trilha mais famosa, sem dúvida é “De Volta Para O Futuro”.

 

 
Vídeos e fotos – divulgação.