Neste ano, os B-52s estão celebrando sua história em uma extensa turnê, tanto solo quanto parte de um pacote de shows com o Culture Club e Thompson Twins.

Embora a formação tenha mudado ao longo dos anos – com a partida do guitarrista Ricky Wilson, que morreu de AIDS em 1985, abalando a banda, e a saída do baterista Keith Strickland em 2012 – os músicos mantêm sua marca registrada, o espírito de festa que definiu a imagem do grupo quando transitava entre o punk e o New Wave no início dos anos 1980.

Esta assinatura divertida contagiou o público durante sua passagem pelo Brasil no primeiro Rock In Rio em 1985, e como resultado, as vendas dos discos em vinil foram às alturas e, em pouco tempo, o som da banda virou febre em todo o país na época.

Nenhum material inédito foi lançado desde “Funplex” de 2008. Mesmo assim eles não desapontam os fãs, pelo contrário, anunciaram a volta aos palcos pelas redes sociais e os ingressos começaram a se esgotar rapidamente.

Antes da turnê, os quatro sobreviventes do B-52s levaram algum tempo para refletir sobre os tempos selvagens que alimentaram seu sucesso inicial.

A banda norte-americana – formada em 1976, em Athens, por Kate Pierson (vocais), Fred Schneider (vocais), Keith Strickland (bateria) e os irmãos Cindy Wilson (vocais) e Ricky Wilson (guitarra) – lançou o primeiro álbum (homônimo) em 1979, apoiado pelo single “Rock Lobster”, mas conheceu os holofotes no segundo álbum “Wild Planet”, lançado em 1980, quando chegaram às rádios os sucessos “Private Idaho” e “Give Me Back My Man”.

 

O nome da banda durante muitos anos foi “The B-52’s”, mas em 2008 eles deixaram cair o apóstrofo, e passaram a se chamar oficialmente “The B-52s”.

Desde o surgimento em meados dos anos 1970, o grupo sempre foi sinônimo de festa por excelência. Músicas como “Rock Lobster”, “Dance This Mess Around” e “Love Shack”, são divertidas graças às letras hilárias do cantor Fred Schneider e ganham notoriedade na voz de Kate Pierson e nas harmonias celestiais de Cindy Wilson.

A fusão de rock de praia, Motown e girl groups com a criatividade experimental dos músicos, fizeram deles improváveis hit-makers, emplacando diversos singles nas paradas de sucessos pelo planeta. Tanto que quando a versão de “The Flintstones” para o cinema foi confirmada, a produção não pensou duas vezes em convidar o B52s para gravar a música tema.

 

Agora, com mais de 20 milhões de álbuns vendidos, não há dúvida de por que os B-52s continuam sendo uma das bandas mais amadas de toda uma geração. Como os músicos celebram seu 40º aniversário este ano, que melhor maneira de comemorar do que convocar os fãs para lotar os shows?

Amanhã eles tocam no ‘Cassino SugarHouse’ em Ridgefield no estado americano de Connecticut e já anunciaram a agenda de shows no site oficial, com datas confirmadas até o dia 24 de outubro.

 

 
Vídeos e fotos – divulgação.