Em comemoração ao 100º aniversário de nascimento do lendário vencedor do Grammy, John Lee Hooker, a exposição itinerante intitulada “Celebrating John Lee Hooker : King Of The Boogie” estará aberta a partir do dia 29 de março no “Grammy Museum” em Los Angeles, a próxima cidade que recebe a mostra.

A exposição traz gravações raras e itens exclusivos de propriedade de Hooker, e vai receber alguns convidados, como as filhas do ‘Blues Man’ – Diane Hooker-Roan e Zakiya Hooker – que aparecerão no Museu para um programa especial na noite de abertura.

O trabalho é um esforço conjunto com o John Lee Hooker Estate e Craft Recordings, pois a exposição foi originalmente aberta no “Grammy Museum” de Mississippi, terra natal do músico, em 2017, ano do seu centenário. Juntamente com a ideia da mostra saiu “John Lee Hooker – King Of The Boogie”, o conjunto especial de cinco CDs, que deu nome ao projeto. O box aprofunda o catálogo de John Lee Hooker, apresentando não apenas seus sucessos icônicos, mas também raridades, gravações ao vivo e várias faixas inéditas. Além das músicas, um livro de 56 páginas, traz um charme à coleção, onde uma ampla seleção de fotos é mostrada ao lado de notas do escritor e historiador Jas Obrecht, e do gerente e amigo Mike Kappus.

Em exibição por um período limitado, até junho de 2018, a mostra incluirá uma fascinante variedade de recordações de John Lee Hooker, como : um raro Epiphone Zephyr de 1961, as guitarras – Gibson ES-335, Hohner HJ5 Jazz e uma personalizada Washburn HB35, todas usadas por Hooker.

Outros itens de escolha incluem discos raros, uma carta do artista ao ex-presidente Bill Clinton e o programa do memorial de Hooker, realizado em 27 de junho de 2001, em Oakland, Califórnia. Mas para os fãs as surpresas ficam por conta de fotos raras de Hooker com Miles Davis, Quincy Jones, Taj Mahal, Roy Rogers e Carlos Santana e ainda itens de vestuário de performances usadas pelo lendário guitarrista de blues.

A carreira de Hooker decolou em 1948 quando alcançou sucesso com o compacto “Boogie Chillen”, apresentando um estilo meio falado que se tornaria sua marca registrada. Ficou ainda mais popular devido ao surgimento de aficcionados por blues e música folk no começo dos anos 60 – ele inclusive passou a ser mais conhecido entre o público branco, e na época deu uma oportunidade ao iniciante Bob Dylan. Outro destaque de sua carreira aconteceu em 1989, quando convidou diversos astros da música, incluindo Keith Richards e Carlos Santana, para a gravação de “The Healer”, um de seus álbuns mais famosos, vencedor do Grammy.

Em 1994 o músico passou por uma cirurgia de hérnia, o que ocasionou o afastamento dos palcos. Depois das gravações de “Chill Out” (1995), ele parou com os shows e sua presença virou raridade. Hooker gravou mais de 500 músicas e aproximadamente 100 álbuns, morreu de causas naturais enquanto dormia em sua casa na California em 21 de junho de 2001.

 

 
Vídeo e fotos – divulgação.