Um dos lançamentos mais bacanas desse fim de ano é o box “Gilberto Gil Ao Vivo (Anos 70)”, lançado pelo selo “Descobertas”. O material especial reúne, em três CDs duplos, os shows “Back in Bahia” (gravado em março de 1972 no Rio de Janeiro), “Umeboshi” (gravado em abril de 1973, também no Rio de Janeiro) e “Ao vivo na USP” (gravado em maio de 1973 em São Paulo). Os registros são históricos e inéditos.

No exterior é muito comum o lançamento de caixas comemorativas com shows inéditos mas infelizmente isso acontece muito pouco aqui no Brasil e quando acontece é graças a bravos pesquisadores como Marcelo Fróes, dono do “Descobertas”. Antes de fundar o selo ele foi responsável por diversos ‘boxes’ de raridades que saíram nos anos 1990 e início de 2000, no tempo em que grandes gravadoras investiam nesse tipo de material de arquivo.

Motivos não faltam para que esse box seja um dos lançamentos de sucesso desse fim de ano e vale lembrar que passar por toda burocracia para levar adiante um trabalho como esse é uma declaração de amor pela música. O selo geralmente investe em álbuns antigos que estão fora de catálogo pois a maioria nem em CD foi lançada anteriormente, só em vinil, como raridade.

Provavelmente esse novísso box de Gilberto Gil supere todos os outros do selo justamente por se tratar de um material inédito, nunca antes ouvido em CD e nem LP.

Um dos grandes apreciadores da obra de Gil e que vem cuidando dela é seu filho Bem Gil, que acaba de idealizar o projeto ‘Refavela 40’ para celebrar as quatro décadas do álbum ‘Refavela’. Como fã e filho, ele tem um olhar atento pelo que o pai produziu nos anos 1970. Em encontro recente, o pesquisador Marcelo Fróes, que vem resgatando o catálogo de Gil há duas décadas, mostrou a Bem gravações inéditas de shows daquele período, e ele gostou do que ouviu. Esse material deu origem à caixa “Gilberto Gil Ao Vivo (Anos 70)”.

Um dos destaques das canções dessa época na programação da itapema é a faixa “Chiclete Com Banana” (de Gordurinha e Almira Castilho), originalmente lançada no álbum “Expresso 2222” (1972). A gente relembra a música, aqui na postagem, com o encontro de Gil e o filho Bem no DVD “BandaDois” (2010).

 

 
Video e fotos – divulgação