De novos nomes a grandes estrelas, o cenário musical revela em diversos cantos do planeta, algumas obras que se destacam e renovam a sensação de bons ventos para o mercado. As surpresas desse ano trazem tanto o frescor do experimentalismo contemporâneo e trabalhos autorais a releituras sofisticadas. Afiados na pesquisa diária para apresentar novidades em primeira mão, desde o começo do ano estamos atentos aos lançamentos que dialogam com o contexto itapema e separamos uma lista de cinco álbuns lançados na programação para você curtir do começo ao fim.

Lembrando que os links para abrir as matérias completas sobre os álbuns, com fotos e os audios especialmente escolhidos para a programação da itapema, estão em negrito. Bem-vindos ouvidos teus!

Portugal. The Man, é uma banda de rock psicodélico, com influências de folk e indie, baseada na cidade de Portland, no estado norte-americano de Oregon, mas originária de Wasilla, Alasca. No início do ano, em março, a banda lançou o single “Feel It Still”, sugerindo que um novo trabalho estava vindo, o disco “Woodstock”, nome inspirado no festival de música de 1969, cujo realizador era o pai de John Gourley, vocalista do grupo. Ele sentiu, 50 anos depois do festival, que a música ainda tem a mesma missão que naquela época – “comentar sobre o mal-estar social e político” que assola a humanidade.

Depois de receber tantas boas reações com o primeiro EP acústico, “The Schoking Miss Emerald Acoustic Sessions”, álbum de releituras de sua própria obra, que comemorou o sucesso da turnê de lançamento do segundo trabalho de estúdio em 2015, Caro Emerald decidiu gravar um novo disco acústico.

Voltando mais ainda no tempo, lá para o começo da carreira, a cantora holandesa exercitou um novo olhar especificamente para o seu álbum de estreia – “Deleted Scenes From the Cutting Room Flor” (2010). Dessa vez, a artista renovou o primeiro registro com canções gravadas ao vivo e no estúdio com uma roupagem mais sofisticada – lançado em maio, o EP é chamado “Emerald Island”.

Com 30 anos de idade, Charles Pasi, a nova aposta do celebrado selo ‘Blue Note’, já é um nome reconhecido na Europa e Ásia, e até mesmo Neil Young, escolheu pessoalmente acompanhá-lo nas datas francesas dos shows em 2016. Sem barulho, sem campanhas na mídia, com apenas uma gaita (Harmônica), violão, uma caneta e muito sentimento, Pasi alcançou o reconhecimento da crítica e do público.

Gravado durante cerca de dezoito meses entre Paris e Bruxelas, co-produzido por Jean-Philippe Verdin, o álbum “Bricks”, lançado em setembro, é de uma intensidade elegante, ele compôs e escreveu tudo. As faixas demonstram a maneira bem pessoal do músico de transfigurar o estilo que for. Charles experimenta, tenta coisas que se assemelham a ele de um jeito profundo, sensual e livre.

Os líderes da incrível banda 2raumwohnung, a dupla Inga Humpe e Tommi Eckart, finalmente lançaram material inédito, no início do ano, o aguardado álbum “Nacht Und Tag”. O primeiro single “Somebody Lonely and Me”, apresentou devidamente aos fãs o conceito do novo trabalho.

Com uma carreira consolidada e considerados veteranos na cena eletrônica alemã, a dupla de Berlim gravou discos incríveis, daqueles que você escuta sem pular nenhuma faixa. Em entrevista para o lançamento, os músicos disseram que “o calor à beira da piscina na cobertura de um hotel em Barcelona” foi a inspiração para esse oitavo álbum, e completaram dizendo que deixaram de lado os sintetizadores eletrônicos, obcecados pela ensolarada música pop.

O jornal ‘Die Welt’ resumiu o resultado como “Neue Deutsche Wellness” (novo bem-estar alemão), e a própria Inga declarou o novo disco como uma “injeção de vitamina musical”. Fica claro, ao ouvir a obra da dupla, que eles sabem o que fazem pois sem abrir mão do experimentalismo, mantiveram o frescor em mais de 16 anos de carreira.

A dupla de irmãos australianos Angus e Julia Stone estão lançando o quarto álbum de estúdio “Snow”. O primeiro single, da faixa título, já é bem conhecido dos ouvintes da itapema. O trabalho chega dando sequência ao processo de escrever e compor juntos, provocação do produtor Rick Rubin, que teve início em 2014, no incrível álbum auto-intitulado da dupla.

“Snow”, lançado em setembro, é mais um avanço de uma história que agora representa meio milhão de vendas de álbuns na Austrália. Atmosférico e delicado, o álbum avança em um ritmo constante, as músicas parecem escolhidas de forma artesanal, uma se encaixando na outra, fato que torna o disco perfeito para ser ouvido do início ao fim.

Fotos – Divulgação