Ela é uma talentosa atriz e cantora que desempenha um papel bastante importante e particular no universo artístico brasileiro. Filha do pianista, compositor e maestro Laércio de Freitas, desde muito cedo Thalma de Freitas sabia que seguiria pela estrada das artes. Tanto é que aos 14 anos, assim que se sentiu segura para caminhar sozinha pelas ruas de São Paulo, achou nas Páginas Amarelas o telefone do Teatro Escola Macunaíma e agendou sua primeira aula. Na televisão, estreou em 1996 na histórica telenovela ‘Xica da Silva’, da Rede Manchete. Na música, além do disco solo lançado em 2004 e do trabalho com a big band ‘Orquestra Imperial’, ela funciona como uma espécie de catalisadora entre músicos de diferentes origens e estilos.

Foto : divulgação

Em 2004, Thalma de Freitas surpreendeu o país com o lançamento do CD solo, com canções clássicas como “Doce de coco” (de Jacob do Bandolim e Hermínio Bello de Carvalho), “Beija-me” (Roberto Martins e Mário Rossi) e as contemporâneas, como o destaque de hoje na itapema – “Tranquilo” (de Kassin) e “Cordeiro de Nanã” (Mateus e Dadinho). Seu pai, Laércio de Freitas, participou do álbum ao piano junto a outros luminares do samba carioca: Wilson das Neves (bateria) e Bebeto (contrabaixo).

Foto : divulgação

A atriz e cantora vive hoje de música. Colabora com vários artistas nos Estados Unidos e se apresenta com show solo em território norte-americano.

Como compositora, Thalma já teve suas músicas gravadas por artistas como Gal Costa (a canção “Ecstasy”) e Gabi Amarantos (“Chuva”). Já lançou três CDs, em 1996, 2004 e 2007. Thalma também visa construir uma carreira internacional como atriz. Ela estuda fotografia e edição em um estúdio e trabalha como voluntária na distribuidora ‘Array’, propriedade da diretora Ava Duvernay (de “Selma”, indicado ao Oscar de melhor filme em 2015). No currículo, além de cantar, ela revela habilidades com figurino, produção, direção e, claro, atuação.

“Aqui, resolvi me dedicar a uma parte mais técnica do trabalho, porque nunca tive chance de fazer isso no Brasil”, explica.

 

 
Video : divulgação